ágina de Lula no Facebook: internautas ironizam ex-presidente


 

Internautas estão recorrendo à página oficial do ex-presidente Lula na internet para defender sua prisão. O ex-presidente divulgou uma mensagem hoje antes de a força-tarefa da Lava-Jato em Curitiba apresentar a denúncia contra ele. “Jamais foi proprietário dele ou sequer dormiu uma noite no suposto apartamento que a Lava-Jato desesperadamente tenta atribuir ao ex-presidente”, diz a mensagem postada por Lula,  rebatendo as acusações de ele é dono de um tríplex no Guarujá.internautas-pedem-a-prisc3a3o-de-lula-em-sua-pc3a1gina-na-internet

Muitos internautas reagiram irritados. “Ainda existem brasileiros que acreditam nesse Lula e no PT? Acorda Brasil, deixem de ser enganados por esse partido que afundou o País”, reagiu um internauta. “Lula, fica tranquilo. Você é a alma mais honesta do Brasil. Kkk”, escreveu outro internauta.

Leia também: Lula é comandante máximo do petrolão, diz MP

Agora à noite, depois de tomar conhecimento da denúncia dos procuradores da Lava-Jato, Lula postou uma nova mensagem, ao lado de uma foto com sua esposa,  Marisa Letícia, que também foi acusada pela força-tarefa. “Lula e D. Marisa Letícia repudiam denúncia da Lava Jato. Denúncia do MPF é truque de ilusionismo; coletiva é um espetáculo deplorável”, diz o link que remete o internauta para a defesa dos advogados de Lula. O ex-presidente agendou um pronunciamento à imprensa para a tarde de quinta-feira.

Por . Veja

 

Juiz do DF suspende posse de Lula como ministro; governo vai recorrer


Neto concedeu liminar há pouco em despacho que suspende a nomeação de Luiz Inácio Lula da Silva como ministro-chefe da Casa Civil. A decisão acolhe denúncia em ação popular protocolada na vara federal do Distrito Federal contra o governo federal.

No despacho, o juiz Catta Preta informa que a criação do cargo de ministro-chefe de Gabinete Civil é uma irregularidade por parte da presidente Dilma Rousseff. Ele entendeu que há indícios de cometimento de crime de responsabilidade na nomeação de Lula na medida em que ela teria o objetivo de garantir foro privilegiado ao ex-presidente que é investigado pela Operação Lava Jato e pelo MP-SP (Ministério Público de São Paulo).

despacho-do-juiz-federal-itagiba-catta-preta-neto-que-concedeu-liminar-que-suspende-a-nomeacao-de-luiz-inacio-lula-da-silva-como-ministro-chefe-da-casa-civil-1458227169420_300x420
Despacho do juiz federal Itagiba Catta Preta Neto que concedeu liminar que suspende a nomeação de Luiz Inácio Lula da Silva como ministro-chefe da Casa Civil.

Ele diz que “caso já tenha ocorrido a posse, suspendo seus efeitos até o julgamento final desta ação”.

No documento, Catta Preta argumenta que a nomeação de Lula por Dilma “implica na intervenção direta” do Executivo nas atividades do Poder Judiciário e alega que isso configura crime de responsabilidade.

Ele pede que os presidentes da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), têm, agora, que tomar “as providências inerentes aos respectivos cargos”. Pela Constituição, crime de responsabilidade pode levar ao impeachment de um presidente.

Em entrevista à BandNews, o juiz afirmou que foi às manifestações de domingo (13) contra o governo, como “cidadão”, e que isso não interferiu em sua decisão. Sobre uma postagem na rede social dizendo que Lula ser ministro seria “esculhambação”, ele diz que foi uma “brincadeira”. “Todo juiz decide de acordo com o que está no processo e na Constituição Brasileira. Ainda que eu tivesse feito uma previsão, não poderia decidir com base nisso.”

A Advocacia-Geral da União já recorreu da decisão.

“Vamos derrubar essa liminar. Esperávamos por isso. Esperávamos uma batalha longa para garantir que o presidente Lula possa governar junto com a presidente Dilma, como ministro. Essas reações eram mais do que esperadas e só confirmam o acerto dessa nossa posição. Essa reação irada, raivosa, mostram o quanto nossos adversários foram pegos de surpresa”, disse ex-ministro Gilberto Carvalho.

O deputado federal Henrique Fontana (PT-RS) defendeu que Lula deva continuar no cargo. Segundo ele, “não são juízes de primeira instância que escolhem ministros no país”.